Pages

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

O Caso Giovana , vamos Ajudar

Gente , o principe ja esta melhor foi medicado e ja esta comendo bem .

 Bom, visitando o blog Gravida e Gata , vi o caso da Giovana e me revoltei .

 Comno um jornalista pode fazer isso .

 Por isso proponho uma corrente : Vamos nos unir repercurtindo o caso nos nossos blogs pedindo o dirreito de resposta dessa mãe que foi enganada por essa jornalista que não tem o que fazer .

 Segue abaixo a materia .

 5/12/2010 - 10h20
Mães colocam crianças em "Baby Brother" na internet; especialistas criticam
Publicidade
LUISA ALCANTARA E SILVA
DE SÃO PAULO

Meu primeiro maiô. Dois meses. Três meses. Minha primeira boneca. Tentando bater palma. Minha primeira praia. Primeira Páscoa.

É publicando textos com esses assuntos em um blog que a técnica em telecomunicação Viviane Trupel, 29, quer guardar momentos da infância de sua filha.

Assim como ela, muitas outras mães, e pais, fazem o mesmo: divulgam na internet, com textos, fotos e vídeos, informações íntimas de seus filhos recém-nascidos.

Se, por um lado, deve ser bom ter registrados momentos que normalmente não lembramos, por outro, gera uma superexposição, criticada por especialistas.

Além da segurança, eles falam da questão psicológica, já que depois a criança pode achar ruim a divulgação de sua vida na internet.

"Qualquer evento do desenvolvimento da criança, sempre que colocado em ambiente público, como a internet, dá margem a que outras pessoas tenham acesso", afirma Aderson Costa, professor do Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento da UnB.

Costa cita "situações de gozação" e associadas ao bullying. "A rotina da criança não deve ser disponibilizada em ambiente público em hipótese alguma", diz.

Mas, como no caso de Viviane, os pais só pensam em registrar todos os momentos. "Minha ideia era fazer um álbum do bebê para mostrar para a família", diz a mãe.

Ela conta que, como a página é pouco visitada, não se preocupou em invadir a privacidade da filha, hoje com um ano e cinco meses.

COMO UM DIÁRIO

A mãe Giovana Reobol, 35, afastada do trabalho por motivo de saúde, pensa no blog de seu filho como um diário. "Acho que tem mais ponto positivo que negativo", diz ela, que já teve cerca de 200 mil acessos desde o início da página, há cerca de três anos, quando engravidou.

Ricardo Nogueira/Folhapress

Giovana Reobolo com o filho Lucca, 2, em seu apartamento em Santos, litoral sul de SP.
Luciana Rufo, do Departamento de Psicologia da USP, questiona a prática. "Por que essa mãe alimenta essa necessidade? Se a ideia é fazer um diário, ele não tem que ser público. Antigamente diário tinha até chave."

"A criança vai crescer possivelmente achando que é bom expor a própria intimidade, porque ela dá valor ao que os pais valorizam", afirma Luciene Paulino Tognetta, pedagoga e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral da Unicamp e da Unesp.

E não é só isso. Segundo ela, "a mãe não só ensina que é bom se expor, como impede que essa criança saiba guardar aquilo que é intimo. E quem não se respeita possivelmente não respeita a intimidade dos outros". 

1 comentários:

Ana Carolina disse...

Oi Grazi. Vi o seu link pelo Twitter e fui ler o post.
Qando li a matéria fiquei bem indignada.
No sidas de hoje, alguns ditos "especialistas", querem nos dizer a melhor maneira de como educar nossos filhos. Na maioria das vezes nos são "impostas" regras de como devemos cuidas das nossas crianças, mas o dia a dia e a maniera como se deve educar, cabe aos pais.
Quanto a questão da exposição, eu discordo. Essa é uma maneira, de mostrarmos aos nosso familiares e amigos mais distantes o crescimento dos nossos filhos e compartilhar idéias, trocar informações. Não estamos expondos nossas crianças, só queremos mostrar a todos o quanto somos orgulhosas, felizes e o o quanto amamos nossos filhos.

Beijoss e nos vemos por aqui e pelo twitter.

PS: Seu blog é muito legal. Estou seguindo... sempre que der dê uma passadinha no meu tb!